Redbull multada por ter excedido o cost capital em 2021

Fonte da imagem: Mundo Português

O cost capital foi uma ferramenta que a FIA, federação Internacional do Automóvel, criou em 2021 com o objetivo de impor tetos orçamentais às equipas do principal escalão do automobilismo e, com isso, aumentar a competitividade entre as mesmas e reduzir os outliers.

Este teto orçamental foi fixado em 145 milhões de euros por ano, sendo que todas as despesas financeiras que as equipas tinham teriam de ser reportadas na demonstração financeira e, posteriormente, enviada para a FIA.

Mas que despesas estamos a falar?

Estas despesas têm muito que se lhe digam e muito que explicar, pois nem tudo faz parte destes 145 milhões.

Assim, despesas como o vencimento dos pilotos de corrida, as despesas efetuadas no departamento de marketing bem como o salário auferido pelos três principais executivos da equipa não entram na equação.

Tudo o resto que seja despesas relacionadas com acidentes, melhorias na performance do carro, catering, etc. entram na equação e estão limitadas a 145 milhões de euros anuais.

O que acontece se exceder o teto orçamental?

Uma equipa que exceda o teto orçamental pode ser penalizada de 3 formas:

  • Pagamento de uma multa
  • Redução do tempo de testes e da utilização das ferramentas necessárias para o desenvolvimento do carro do ano seguinte
  • Desqualificação do campeonato

E foi o que aconteceu à Red Bull

Segundo o comunicado feito pela FIA, a Red Bull ultrapassou o cost capital de 2021 em cerca de 500 mil euros, o que é equivalente a 0,37% do valor limite.

Assim, a equipa austríaca teve de chegar a acordo com a entidade que gere a Fórmula 1 com vista a arranjar uma solução/ aceitar um acordo de forma a penalizá-la.

Quais as consequências?

São duas as consequências que a atual campeã do mundo de Fórmula 1 terá de enfrentar:

  • Pagamento de uma multa equivalente a 7 milhões de euros
  • Redução de 10% do tempo de utilização do túnel de vento

Para uma equipa como a Red Bull, o problema central não será arranjar os 7 milhões de euros mas sim o tempo que irá perder no túnel de vento, uma vez que o desenvolvimento do carro de 2023 irá sofrer bastante com esta penalização.

Assim, a FIA mostrou a todas as equipas da Fórmula 1 que o melhor remédio será cumprir ao máximo o teto orçamental, pois se ele existe é para ser cumprido.