fbpx

Ray Dalio faz recomendação para 2022

⏱️ Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Ray Dalio iniciou o ano com um alerta sobre a detenção de moedas e títulos, devido ao contínuo aumento de criação de dívida e monetização nos Estados Unidos.

O bilionário Ray Dalio, fundador da Bridgewater Associates, um dos maiores fundos hedge do mundo, escreveu no linkedin: “Essa impressão de dinheiro e compra de ativos de dívida baixou tanto as taxas de juro que é estúpido possuir moedas e títulos”, acrescentando ainda, “que se deve considerar desfazer de moedas e títulos em dólares, euros e ienes.”

Tendo em consideração as palavras de Dalio, são estas as três opções para alocar o dinheiro extra para nos protegermos da inflação.

Ouro:

Por não poder ser impresso a qualquer altura e não ser afetado pelos grandes eventos económicos, o ouro é muitas vezes considerado o porto seguro dos investimentos.

Este metal amarelo já ajudou muitos investidores a preservar a sua riqueza ao longo dos últimos séculos e muitos acreditam que desta vez não será diferente.

Criptomoedas:

Ray Dalio nunca foi a favor das criptomoedas, tendo chegado mesmo a dizer que os governos as deviam proibir

No entanto, desde o final do ano passado que a opinião de Dalio em relação às criptomoedas mudou,  tendo admitido que adquiriu Bitcoin ($BTC) e até mesmo Ethereum ($ETH), apesar de em pequena quantidade. 

Dalio acrescenta ainda que é grande defensor deste ativo, que é uma excelente ferramenta de diversificação e admitiu ainda ter ficado muito impressionado com o facto de esta programação nunca ter sido hackeada e se ter mantido de pé durante a última década.

Para além de Dalio, muitos outros investidores estão a adotar as criptomoedas por acreditarem no seu potencial como cobertura à inflação.

Arte:

As ações são voláteis, as criptomoedas fazem grandes oscilações e, mesmo o ouro, não é imune aos altos e baixos do mercado. É por isso que, apesar de ser um ativo pouco falado nos dias de hoje, é algo a ter em conta devido aos grandes retornos que teve anteriormente.

Prova disso é a arte contemporânea que superou o S&P 500($^GSPC) em 174% nos últimos 25 anos, de acordo com o gráfico do Citi Global Art Market.

Por ser um bem físico real e ter pouca correlação com o mercado de ações, está a tornar-se cada vez mais popular entre os investidores e é, sem dúvida, um ativo a ter em conta contra a inflação.

Autor: Francisco Pires

DEIXA UM COMENTÁRIO

Por favor, envie o comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

Últimas notícias

Subscreve a nossa Newsletter

Com o resumo das nossas notícias
bitcoinBitcoin
$ 23,961.42
$ 23,961.42
0.59%
ethereumEthereum
$ 1,884.23
$ 1,884.23
0.95%
xrpXRP
$ 0.376982
$ 0.376982
0.53%
cardanoCardano
$ 0.568036
$ 0.568036
2.02%

Artigos Relacionados

spot_imgspot_img