Quais as diferentes formas de investir?

in.ves.ti.men.to

Nome Masculino

    1. Afetação de recursos com vista à aquisição de meios de produção ou à maximização do seu rendimento
    2. Aplicação de capital com vista à obtenção de lucro. 
    3. Conjunto das verbas aplicadas num dado setor, atividade, etc.
    4. Aplicação de algo (tempo, recursos, esforço, energia, etc.) feita com a expetativa de obter um resultado meritório

Uma definição bastante simplista para a complexidade por detrás desta palavra. De facto, existem bastantes formas de investimento sendo que, neste artigo, irei debruçar-me apenas sobre Ações, Obrigações, Exchange Traded Funds (ETFs), Mutual Funds, Index Funds e Criptomoedas.

1) Ações

Uma ação é um título que representa uma parte do capital social de uma empresa. Deste modo, o proprietário das ações torna-se sócio da empresa, tendo direito a uma proporção dos ativos e lucros da empresa igual à quantidade de ações que eles possuem. 

As ações são compradas e vendidas predominantemente em bolsas de valores e são a base de muitas carteiras de investidores. Estas podem ser adquiridas na maioria das corretoras de ações online. Historicamente, as ações superaram a maioria dos outros investimentos no longo prazo.

As empresas emitem ações para angariar fundos. O acionista detém uma parte da empresa e, dependendo do tipo de ações detidas (common ou preferred stock), pode ter direito a uma parte de seus ativos e dividendos. Por outras palavras, o acionista passou a ser proprietário da empresa emissora das ações. A propriedade é determinada pelo número de ações que uma pessoa possui em relação ao número de ações em circulação. Por exemplo, se uma empresa possui 1.000 ações em circulação e uma pessoa possui 100 ações, essa pessoa possui e tem direito a 10% dos ativos e dividendos da empresa.

2) Obrigações

Uma obrigação é um instrumento financeiro de renda fixa que representa um empréstimo feito por um investidor a um devedor (geralmente uma empresa ou entidade governamental). 

O problema que as grandes organizações enfrentam é que, normalmente, precisam de muito mais dinheiro do que aquele que o banco pode fornecer. As obrigações oferecem uma solução ao permitir que muitos investidores assumam o papel de credores. Assim, os mercados de dívida pública permitem que milhares de investidores emprestem uma parte do capital necessário. Além disso, os mercados permitem que os credores vendam as suas obrigações a outros investidores ou as comprem, muito depois da organização emissora ter levantado capital.

Características das obrigações:

  • Face Valueé o valor em dinheiro que a obrigação valerá na data do seu vencimento. É também o valor de referência que o emissor do título usa para calcular o pagamento de juros. Por exemplo, digamos que um investidor compra um título a um preço de 1090$ e outro investidor compra o mesmo título, mais tarde, a “desconto”, a 980$. Quando o título vencer, ambos os investidores receberão o face value estipulado inicialmente de 1.000$ da obrigação.
  • Taxa de cupão – é a taxa de juros que o emissor do título pagará sobre o face value do título, expressa em percentagem. Por exemplo, uma taxa de cupão de 5% significa que os detentores de títulos receberão 5% dos 1000$ (valor do face value), ou seja,  50$ a cada ano.
  • Datas de cupão – são as datas em que o emissor do título fará os pagamentos de juros. Os pagamentos podem ser feitos em qualquer intervalo, sendo feitos semestralmente na maioria das vezes.
  • Data de vencimento – é a data em que o título vencerá e o emissor do título pagará ao detentor o face value do mesmo.
  • Preço de emissão – é o preço pelo qual o emissor da obrigação vende originalmente os títulos obrigacionistas.

3) ETFs (Exchange Traded Funds)

Um fundo ETF negociado em bolsa é um tipo de título que rastreia o valor de um índice, setor, commodity ou outro ativo, mas que pode ser comprado ou vendido na bolsa de valores da mesma forma que uma ação normal. Um ETF pode ser estruturado para rastrear qualquer coisa, desde o preço de uma commodity individual, até uma coleção grande e diversificada de títulos. Os ETFs podem até ser estruturados para rastrear estratégias de investimento específicas.

Um exemplo bem conhecido é o SPDR S&P 500 ETF ($SPY), que acompanha o índice S&P 500. Existem outros vários tipos de ETFs como, por exemplo, fundos de obrigações, moedas, indústrias, inversos (como os ETFs de bear market que valorizam quando o mercado em geral desvaloriza, oferecendo uma hipótese de investimento em alturas de maior queda dos principais índices), entre muitos outros.

O preço das ações de um ETF muda ao longo do dia de negociação à medida que as ações são compradas e vendidas no mercado. Este é um tipo de fundo que mantém vários ativos subjacentes, ao invés de apenas um, tal como acontece com uma ação. Como existem vários ativos num ETF, eles são muitas vezes uma escolha popular para diversificar portfólios.

4) Mutual Funds

Um Mutual Fund é constituído por uma pool de dinheiro de muitos investidores destinado a investir em títulos como ações, obrigações, entre outros ativos. Os Mutual Funds são operados por profissionais, que alocam os ativos do fundo e tentam produzir ganhos de capital para os investidores deste. A carteira de um fundo mútuo é estruturada e mantida para corresponder aos objetivos de investimento declarados no plano do mesmo.

Os Mutual Funds fornecem aos pequenos investidores o acesso a carteiras de ações, títulos e outros instrumentos financeiros administrados profissionalmente. Cada acionista participa proporcionalmente nos ganhos ou perdas do fundo. Estes fundos investem num grande número de títulos e o desempenho é geralmente acompanhado através da mudança na capitalização de mercado total do fundo.

5) Index Funds

Um Index Fund é um tipo de Mutual Fund ou ETF com uma carteira constituída de forma a combinar ou rastrear os componentes de um índice do mercado financeiro, como, por exemplo, o Standard & Poor’s 500 Index (S&P 500). Estes fundos seguem o seu índice de referência independentemente do estado dos mercados.

Estes são geralmente considerados ativos de portfólio ideais para contas poupança para a reforma. O lendário investidor Warren Buffett recomendou Index Funds como um paraíso para as economias dos últimos anos de vida. Em vez de escolher ações individuais para investimento, este disse que faria mais sentido para o investidor comum comprar todas as empresas do S&P 500 pelo baixo custo que este fundo oferece e por ser necessário um menor controlo quando comparado com outras formas de investimento.

Existe um índice e um fundo desse mesmo índice para quase todos os mercados financeiros existentes. Nos EUA, os fundos de índice mais populares acompanham o S&P 500. Mas vários outros índices são também amplamente usados, tais como:

  • Russell 2000, composto por ações de empresas de pequena capitalização
  • Wilshire 5000 Total Market Index, o maior índice de ações dos EUA
  • MSCI EAFE, que consiste em ações estrangeiras da Europa, Australásia e Extremo Oriente
  • Bloomberg Barclays US Aggregate Bond Index, que segue o mercado de títulos obrigacionistas
  • Nasdaq Composite, composto por 3.000 ações listadas na bolsa Nasdaq
  • Dow Jones Industrial Average (DJIA), composto por 30 empresas de grande capitalização

6) Criptomoedas

O mercado de criptomoedas, que tem estado em alta nos últimos meses, dispensa apresentações. Visto  por uns como um bom investimento para o futuro e por outros algo a evitar devido à volatilidade e especulação que consideram que impera no mesmo, era um instrumento financeiro que não poderia ficar de fora desta lista.

Este mercado tem ganho bastantes adeptos, não só investidores de retalho, mas também grandes empresas que têm investido em criptomoedas, tal como a Bitcoin, passando até a aceitá-la como tipo de pagamento.

Uma criptomoeda é uma moeda digital protegida através de criptografia, o que torna quase impossível falsificar ou duplicar a mesma moeda. Muitas criptomoedas são redes descentralizadas baseadas na tecnologia blockchain –  bancos de dados especiais que armazenam informações em blocos que são então encadeados ou vinculados. 

Uma característica definidora das criptomoedas é que geralmente não são emitidas por nenhuma autoridade central, o que as torna teoricamente imunes à interferência ou manipulação de governos, algo que nos últimos meses tem vindo a mudar em alguns países já que vários governos colocaram restrições ao uso destas.

A primeira criptomoeda baseada em blockchain foi a Bitcoin que ainda continua a ser, aos dias de hoje, a mais popular e valiosa. Existem atualmente milhares de criptomoedas alternativas com várias funções e especificações. Umas apresentam projetos inovadores e apelativos, razão pelo qual o seu preço aumenta enquanto outras crescem devido a um hype muitas vezes inexplicável.

Vantagens:

As criptomoedas prometem tornar mais fácil a transferência de fundos diretamente entre duas partes, sem a necessidade de um terceiro, como um banco. Em vez disso, essas transferências são protegidas pelo uso de chaves públicas e privadas.

Em sistemas modernos de criptomoeda, a carteira digital de um utilizador tem uma chave pública, enquanto a chave privada é conhecida apenas pelo proprietário e é usada para assinar transações. As transferências de fundos são concluídas com taxas de processamento mínimas, permitindo que os usuários evitem as altas taxas cobradas por bancos e instituições financeiras para realizar as transferências eletrónicas.

Desvantagens:

A natureza praticamente anónima das transações de criptomoedas torna-as adequadas a um conjunto de atividades ilegais, tais como lavagem de dinheiro e fuga de impostos. No entanto, os defensores das criptomoedas valorizam este anonimato, citando benefícios da privacidade.

A Bitcoin, por exemplo, é uma escolha má para conduzir negócios ilegais online, uma vez que a análise forense do blockchain do Bitcoin já ajudou as autoridades a prender e processar criminosos. 

Conclusão

Estes são alguns instrumentos financeiros que são facilmente alcançados por qualquer tipo de investidor através da internet. É importante recordar que, qualquer tipo de investimento envolve sempre risco e que, de forma a minimizar o mesmo, é importante uma boa análise e pesquisa antes da sua realização.

Autor: Pedro Alves

DEIXA UM COMENTÁRIO

Por favor, envie o comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

spot_imgspot_img

Últimas notícias

Receba o ebook "Os primeiros investimentos" GRATUITAMENTE

Basta carregar no botão abaixo

Artigos Relacionados

spot_imgspot_img