• bitcoinBitcoin (BTC) $ 67,989.00 1.01%
  • ethereumEthereum (ETH) $ 3,328.97 0.06%
  • xrpXRP (XRP) $ 0.588402 0.54%
  • dogecoinDogecoin (DOGE) $ 0.179459 0.29%
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.577315 1.28%
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 680.32 1.23%
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 8.39 1.18%
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 17.37 1.99%
  • uniswapUniswap (UNI) $ 10.94 0.77%
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 98.44 0.84%
  • stellarStellar (XLM) $ 0.128199 1.04%
  • theta-tokenTheta Network (THETA) $ 2.63 2.79%

Irmãos desaparecem com 3.6 mil milhões de dólares em Bitcoin

Dois irmãos, de origem sul-africana, alegadamente, fugiram com 69.000 Bitcoins (aproximadamente 3.6 mil milhões de dólares), provenientes da sua plataforma de investimento em criptomoedas

Os advogados que constituem a equipa jurídica que defende os lesados (antigos investidores da plataforma) alegam não terem meios para localizar os irmãos e reportaram a ocorrência para os Hawks, uma polícia de elite sul-africana especializada.

 Os primeiros sinais que demonstravam que algo de errado se passava começaram a ser visíveis em abril, na altura em que a Bitcoin se encontrava em valores recorde. O Chief Operating Officer (COO) da Africrypt, Ameer Cajee, e também o mais velho dos dois irmãos, informou os clientes que a empresa havia sido vítima de um ataque informático. Este pediu aos seus clientes que não reportassem a ocorrência às autoridades competentes nem a advogados, com a justificação de que tal ato atrasaria o processo de recuperação dos fundos perdidos. 

No entanto, os investidores mais céticos acabaram por colocar a firma de advogados Hanekom Attorneys ao barulho, enquanto outros preferiram iniciar um processo de liquidação. 

“Suspeitamos imediatamente após ver que o anúncio oficial da Africrypt implorava aos seus investidores para não tomarem uma ação jurídica”, afirma a Hanekom Attorneys. “Os funcionários da Africrypt perderam acesso às plataformas de back-end sete dias antes do alegado ataque”.

A investigação feita pela firma de advogados revelou que os fundos agregados na Africrypt foram transferidos das suas contas no país e das carteiras dos clientes e, através de mecanismos intermediários, ficaram impossíveis de localizar. 

O governo sul-africano está a desenvolver uma regulação mais apertada no que toca a transações de criptomoedas. 

Ambos os jovens irmãos, Ameer, de 20 anos de idade, e Raees com 17 estão incontactáveis e o site da empresa, criada em 2019, está inativo. 

Toda esta história se desenrolou após o colapso de outra plataforma de trading de Bitcoin sul-africana, Mirror Trading International, que culminou com o desaparecimento de cerca de 23.000 moedas de Bitcoin, e que ficou conhecida como a maior fraude envolvendo criptomoedas do ano de 2020, segundo um relatório da Chainalysis

Enquanto a autoridade reguladora de serviços financeiros sul-africana (FSCA) analisa o caso da Africrypt, não pode ser feita uma investigação formal porque os ativos de criptomoedas não são legalmente considerados produtos financeiros no país. 

Autor: Gil Neto

spot_img

DEIXA UM COMENTÁRIO

Por favor, envie o comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

spot_imgspot_img

Últimas notícias

Subscreve a nossa Newsletter

Com o resumo das nossas notícias
bitcoin

Bitcoin (BTC)

$ 67,989.00
ethereum

Ethereum (ETH)

$ 3,328.97
xrp

XRP (XRP)

$ 0.588402
cardano

Cardano (ADA)

$ 0.577315

Artigos Relacionados

spot_img