Goldman Sachs – Petróleo pode vir a atingir os 100 dólares por barril

0
64
⏱️ Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O banco de investimento americano, Goldman Sachs ($GS), prevê que, em 2023, a cotação do crude possa voltar à casa dos 100 dólares por barril, segundo o website Bloomberg. Os principais motivos da referida previsão assentam no crescimento da inflação e no facto de a oferta não vir a ser capaz de satisfazer o aumento da procura, à medida que as economias (a nível global) vão recuperando da corrente pandemia da covid-19.

De acordo com Damien Courvalin, responsável pelo departamento de investigação energética da Goldman Sachs, a procura de todo o tipo de derivados de petróleo, como a gasolina, o gasóleo e o plástico tem vindo a atingir valores recorde, e é expectável que o consumo deste tipo de produtos continue a aumentar até 2023. 

Courvalin afirmou, ainda, que a retoma do setor turístico, mais concretamente o consumo de jet fuel (combustível utilizado no setor da aviação), irá aumentar conforme o nível de descida das restrições pandémicas de cada país.

Fruto de uma reunião ocorrida a 4 de novembro do presente ano, a OPEP+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e os seus aliados, incluindo a Rússia, têm planeado o aumento do fornecimento de petróleo em 400.000 barris de petróleo por dia, a começar em janeiro de 2022, segundo a Reuters

No que concerne à Omicron, nova variante do coronavírus, o banco de investimento americano adotou uma postura descontraída e serena, pois considera que o receio por parte dos investidores (que se traduziu numa descida do preço do crude) foi, de certo modo, desmedido, no sentido em que os governos da grande parte dos países (a nível mundial) estão a descartar as medidas de lockdown, aumentando a capacidade de testagem.

A última vez que o valor de 100 dólares por barril foi atingido remete para o início de setembro de 2014. Até janeiro de 2016, o preço do crude registou uma queda abrupta (onde foi atingido o mínimo de 28,94 dólares por barril, segundo a cotação do Brent ($BZ=F)), derivada do declínio da atividade económica global e do aumento do volume de produção, relacionado com o crescimento inesperado da exploração de petróleo proveniente do xisto, nos Estados Unidos da América. Neste caso, a procura não conseguiu acompanhar o elevado nível da oferta.

Autor: Alexandre Lima

DEIXA UM COMENTÁRIO

Por favor, envie o comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui