Estudo revela: europeus estão a lidar com o teletrabalho de forma perigosa

spot_imgspot_img

Estudo realizado pela empresa de comunicações empresariais, NFON, em parceria com a Statista Q, especialista em recolha e análise de dados, revelou que europeus de sete países estão a lidar com o teletrabalho de forma perigosa.

A pesquisa “Survey Attack: Relatório de Bem-Estar Teletrabalho 2022″ foi realizada em 8 países da Europa: Portugal, Alemanha, Áustria, Itália, Espanha, Grã-Bretanha, França e Polónia, sendo que aborda questões relacionadas ao stress no teletrabalho, tendências para automedicação e ambições no sentido de mudar de emprego ou ser promovido. 

Os resultados do estudo se mostram em parte contraditórios. Ao mesmo tempo que as horas e a carga de trabalho aumentaram para cerca de 26% dos inquiridos, 36% afirmou ter maior equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Ou seja, é possível trabalhar mais e, ao mesmo tempo, ter mais tempo livre graças à eliminação das deslocações longas e um horário mais flexível. 

Apesar dos pontos positivos, o teletrabalho fez com que novos fatores de stress se manifestassem. 20% dos participantes relatou estar contactável a qualquer hora como um fator stressante; 35,3% mencionou a falta de interação social e 30,3% a falta de limites claros entre tempo de trabalho e de lazer. 

Além disso, o teletrabalho fez emergir uma tendência maior para automedicação, principalmente de suplementos que não requerem receita médica, como a melatonina, produtos legais de canábis e extratos de plantas: 34,4% dos participantes afirmaram a toma destes produtos. 

O uso de produtos legais de canábis para aumentar o bem-estar quase duplicou desde o início da pandemia. O consumo de melatonina, também conhecida como hormônio do sono, aumentou de 38% para 62,6%. Entende-se que diante dos novos desafios e fatores de stress, as pessoas buscaram diferentes estratégias para lidar com as situações e tarefas diárias, entretanto, a toma exagerada de alguns suplementos pode ser preocupante. 

Concluindo, o relatório nos mostra a importância da adaptação a essa nova realidade laboral. Manter a distinção entre vida pessoal e profissional agora está ainda mais complicado, por isso, apesar dos benefícios do teletrabalho, é necessário cuidado constante para que o mesmo não impacte negativamente a saúde física e mental dos trabalhadores. 

spot_imgspot_img

DEIXA UM COMENTÁRIO

Por favor, envie o comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

Últimas notícias

Subscreve a nossa Newsletter

Com o resumo das nossas notícias
spot_imgspot_img

Artigos Relacionados

spot_img